Obesidade Felina

30 jan

Fonte – Gateiro.com.br

Obesidade felina exige tratamento especializado

Publicado por Thiago, 29/01/2014

Gatos, assim como os humanos, também podem sofrer com o excesso de peso. E por mais que um felino rechonchudo à la Garfield pareça uma gracinha para muita gente, é importante os proprietários ficarem alertas se observarem que o animal está engordando. A obesidade é uma doença e precisa de tratamento.

“Um sinal claro de que o gato está com sobrepeso é quando se torna difícil sentir suas costelas, sua cintura não é facilmente identificável, seu abdome é distendido e está presente uma bolsa de gordura abdominal”, orienta a médica veterinária da PremieR pet, Keila Regina de Godoy.

Segundo ela, considera-se sobrepeso quando o animal registra de 10% a 15% acima do peso ideal. Entre 15% e 30% acima do peso, considera-se um quadro de obesidade, enquanto acima dos 30% já é obesidade grave.

Na maioria dos casos, a obesidade do bichano é consequência do manejo alimentar inadequado. Por desinformação ou descuido, as pessoas acabam oferecendo uma superalimentação e o pet vai ganhando peso. Isso é particularmente prejudicial aos animais castrados, que possuem maior propensão ao sedentarismo e ao acúmulo de gordura corporal. Mas é algo que pode ser evitado com o uso de um alimento específico para gatos castrados em quantidades corretas.

O QUE FAZER

Em situações de sobrepeso, é necessário introduzir uma dieta adequada de baixas calorias (o mercado oferece alimentos de alta qualidade para este fim e o médico veterinário pode recomendar), além de reduzir os petiscos e aumentar a atividade física. Essas medidas vão permitir que o felino volte ao peso ideal e mantenha sua saúde e qualidade de vida.

Já quando a obesidade está instalada, é importante contar não somente com a orientação, mas também com o acompanhamento do médico veterinário. “A obesidade por si só é uma doença e predispõe o gato a outros problemas de saúde, agravando quadros cardíacos, respiratórios e ortopédicos. Além disso o gato perde agilidade para brincar e para realizar sua higiene. Tudo isso compromete sua qualidade de vida e até sua longevidade, tornando imprescindível o tratamento especializado”, ressalta Keila.

E o tratamento da obesidade tem como ponto central a questão alimentar. O mercado já oferece produtos de nutrição clínica para gatos obesos e o médico veterinário é a única pessoa habilitada que pode orientar a conduta em cada etapa do tratamento. “É preciso garantir um emagrecimento efetivo e saudável, de modo a promover uma perda de peso gradativa, mantendo a massa magra e sem passar fome”. Estimular o gato a brincar e se exercitar também é fundamental”, esclarece Keila.

Após o processo de perda de peso é importante não descuidar. Existe uma fase de manutenção que faz parte do tratamento e ajuda a evitar o “efeito ioiô”. Em alguns casos, os gatos precisam receber alimentos light permanentemente, como prevenção. Mas essa orientação também cabe ao médico veterinário, pois pode variar em cada caso.

Post da 

Confira o site, a fan page e o perfil da marca no Twitter.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: