FLORIDA SPOTS

8 ago

(via www.blogfelino.com.br de blogfelino em 08/08/12)

Publicado em http://www.revistapulodogato.com.br/pulodogato/ – REVISTA PULO DO GATO – escrito pelo Médico Veterinário Mauro Luis da Silva Machado, coordenador do Serviço de Dermatologia Veterinária (Dermatovet) – Hospital de Clínicas Veterinárias da UFRGS – Porto Alegre RS.

JÁ OUVIU FALAR EM FLORIDA SPOTS? É UMA DOENÇA QUE AFETA OS OLHOS DO ANIMAL, NÃO TEM CURA E É MAIS COMUM DO QUE OS DONOS DE PET PENSAM.

Alterações oftálmicas nos animais de companhia são facilmente observáveis pelos seus donos e constituem-se uma grande parcela dos motivos das visitas aos consultórios veterinários.

Em cães e gatos, observa-se frequentemente opacidades na córnea, denominadas “Florida spots”, de coloração acinzentada ou branca e de tamanho variado. Acomete também, embora mais raramente, equinos e alguns pássaros. Esta anomalia foi descrita pela primeira vez em gatos no Sul do Flórida, EUA, o que explica a origem de seu nome. Em outras regiões do mundo, como a América do Sul, observa-se mais frequentemente em áreas tropicais ou subtropicais, por isso também é denominada “ceratopatia tropical”.

(imagem http://www.aamefe.org/florida_spots.htm)

Apesar de localizar-se na córnea, que é a camada transparente externa localizada no centro do globo ocular, que permite a entrada da luz no olho, esta doença é frequentemente confundida pelos proprietários com a “catarata”, que é uma doença que afeta o cristalino, estrutura localizada mais profundamente no globo ocular, atrás da íris (a estrutura muscular que define a “cor” dos olhos).

Florida spots caracteriza-se por opacidades visíveis a olho nu, e podem ser únicas ou multifocais, radialmente simétricas, com a região central mais densa, podendo se apresentar uni ou bilateralmente. Essas opacidades encontram-se profundamente na córnea. As lesões variam em tamanho de 1 a 8 mm de diâmetro e são tipicamente múltiplas. Não se observam outras anormalidades e a condição é não progressiva.

Os olhos não apresentam sinais de inflamação ou desconforto e não respondem ao tratamento com antifúngicos ou corticosteroides. A visão também não é afetada significativamente.

Não se conhece o mecanismo patogenético desta alteração, embora já tenham sido sugeridos como possíveis causas agentes físicos como o excesso de luz ultravioleta, uma reação alérgica ao pólen e agentes infecciosos como microbactérias. Em estudo feito no Hospital de Clínicas Veterinárias da UFRGS em 2001, os animais mais afetados foram os que tinham contato com outros gatos, o que reforça a hipótese de a doença ser de origem infecciosa e transmissível, porém sem comprovação.

Portanto, se você observar manchas nos olhos dos seus animais, procure um veterinário oftalmologista para realizar o diagnóstico correto, pois existem outras doenças que também causam manchas na córnea e podem ser de maior gravidade ou tratáveis. (Imagem http://www.aamefe.org/florida_spots.htm)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: