Agressão entre gatos | Dia de Veterinária

4 abr

via TUDO GATO – Pra quem é curioso como eles… by Lauesg on 4/4/12

colunistas-fino-2011-02a.png
Briga de gatos

A agressão de causa territorialista é muito comum entre gatos que têm uma vida semi-domiciliar e aqueles que vivem em casas com muitos gatos. Eu mesma tenho que “rebolar” para fazer do meu lar habitável para mim e meus quatro gatos.

briga-de-gatos01a.png
foto: giane portal / fofurasfelinas

Moro em um apartamento de dois quartos, sala, cozinha e varanda, e cada cômodo desses é um território diferente para eles. Eles são o Panda, a Sushi, a Maria Gadú e a AK47.

Todos os meus gatos são castrados, então o macho não costuma bater nas meninas por causa do território. Ele briga com os gatos dos vizinhos que rondam o prédio. O Panda e a Sushi não costumam brigar entre si, pois eles são irmãos e foram adotados juntos quando filhotes. Às vezes o Panda e a Gadú se pegam, a gente acha que estão brincando mas eles rolam pelo chão, se mordem.

Quando o gato tem uma interação amigável com outro eles dormem juntos, se lambem, se esfregam, o que é bem longe do que o que eu vejo aqui em casa. A Sushi geralmente não acorda nem para brigar então ela se dá bem com todos. Mas o meu maior problema é a AK47. Ela é extremamente medrosa, sempre fica no alto, longe dos outros, afastada. Quando ela desce para o quintal, ela sai do meu quarto e atravessa a casa correndo. Na volta é do mesmo jeito. Ela não tem outro território na casa que não o meu quarto. Para deixar tudo organizado para que ela fique à vontade, eu coloquei uma caixa de areia, comedouro e bebedouro no meu quarto e, apesar de ser visitado pelos outros gatos, ela não parece se importar muito. Passa o dia inteiro na minha cama, se eu deixo uma gaveta aberta ela tira tudo de dentro, se eu deixo a sapateira aberta ela coloca todos os meus chinelos em cima da cama para brincar e até deixa a minha cadela deitar na cama com ela, mas com uma certa distância.

figura-1.jpg

Infelizmente, nem toda dinâmica entre gatos consegue ser bem controlada, mas vivendo no limite, como é aqui em casa e, por vezes, nós recebemos gatos vítimas de agressões.

A mordida do gato apresenta uma característica inerente à espécie, que gera problemas sérios. Pelo fato de serem dentes finos, eles agem como agulhas, fazendo uma ferida pequena mas profunda. A pele tende a cicatrizar rapidamente, fechando a ferida e deixando as bactérias implantadas lá no fundo terem um ambiente ótimo para crescimento, com alimento, boa temperatura e umidade. Quando a mordida se dá em regiões aonde a pele é mais solta, como pescoço, dorso, abdômen, cabeça, pode desenvolver um abcesso, observando um inchaço e, se não for cirurgicamente puncionado e drenado, ele vai formar uma fístula e drenar, e aí sim chega o proprietário em completo desespero às vias de um AVC no consultório.

figura-2.jpg

Quando a mordida se dá em regiões onde a pele é mais aderida à musculatura, como na extremidade dos membros, pode não se desenvolver um abscesso, e sim uma celulite, que é uma inflamação séria da células adiposas.

figura-3.jpg

Os tratamentos incluem remoção do abscesso e uso de antibióticos.

Os locais mais frequentemente atingidos estão descritos na figura abaixo:

figura-4.jpg

Quando você tiver problemas de agressões entre gatos em casa, os leve ao veterinário. Este vai descartar qualquer doença que possa estar levando à mudança de comportamento. Sendo descartada uma doença primária, então deve-se contar toda a dinâmica dentro de casa, o que acontece antes de cada briga, qual é a reação do proprietário e outros membros da casa, como é a disposição de caixas de areia, ração e água para os animais, se são castrados, se estão no cio, etc. Apenas simples mudanças no manejo podem ajudar os animais a minimizar esses encontros agressivos entre eles, por exemplo:

– Distribuição dos recursos de água, comida e banheiro nos territórios estabelecidos.

– Não forçar um encontro entre os gatos de qualquer jeito. Esse encontro deve ser tranquilo, supervisionado, deixando-os a uma certa distância segura, podem ser utilizados ferormônios sintéticos (Feliway), podem ser utilizados petiscos para congratular cada interação positiva.


– Colocar uma coleira com um sino no gato agressivo, assim a vítima terá tempo de se esconder ou fugir antes da briga (esse artifício pode funcionar apenas temporariamente).


– Dê atenção a todos os gatos, eles precisam disso. Todos os gatos precisam de diversão, oportunidade de caça ou exploração do ambiente, quando o gato é privado dessas coisas ele fica frustrado.

Se você tem o profundo desejo de ter uma casa cheia de gatos, adote fêmeas parentes ou filhotes em pares para prevenir brigas futuras. Infelizmente, a doação de um dos gatos pode ser necessária, mas vários artifícios podem ser utilizados antes da adoção de uma medida drástica.

É isso aí gente, existem muitas formas de prevenir e remediar interações agressivas, converse com o seu veterinário.

Alice Ribeiro
diarioveterinaria.blogspot.com
www.formspring.me/alicevet
twitter: @alicevet

Fonte: O Paciente Felino. 4ª Edição

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: