Cuide Bem Das Unhas De Seu Gatinho!

10 mar

Fonte – Gata Lili

Hoje, vamos bater um papo sobre unhas. Isso mesmo. Pra quem não sabe, as unhas são muito importante para nós gatinhos. Com elas, nós fazemos um monte de coisas, inclusive nos defender e marcar nosso território!

Por isso, nem pense em arrancar as unhas do seu gatinho. Isto se chama crime de ablação e dá cadeia, viu? Ao invés disso, seja um tutor responsável. Compre um arranhador para seu gatinho afiar as unhas. Há vários no mercado, de vários tamanhos, modelos e preços.

Ah, e você também pode aparar as unhas do bichano. Só aparar e com bastante cuidado, para não cortar onde não deve. Para isso, você precisa de uma tesoura especial, como esta da foto. E também deve aparar bem longe do sabugo, viu? Veja o que estou dizendo: é na pontinha. Não vá fazer besteira, hein? Todo cuidado é pouco!

Para terminar, aconselho ler esta reportagem da Anda e ver o vídeo abaixo. O titio explica muito bem. Veja:

Castração – mais do mesmo assunto!

20 fev

Fonte –  I/O Gatos

Desativando o centro de replicação do hardware felino: mitos e verdades sobre a castração – Parte 2

Bom, continuando o tema anterior, vamos comemorar aqui os louros que todos acabam sendo angariados com a castração dos animais. Os mais notados, percebidos, discutidos e comemorados são:
Oba! Cosia boa? Pá mim?
  • Fim do cio nas gatas, e consequentemente daquela miação/berração de gatos pelas altas madrugadas sobre muros e telhados, infernizando a sua vida e a de seus vizinhos!! Com isso, diminui o risco de seu vizinho ficar tão atazanado a ponto de querer envenenar os animais que o “incomodam”!
  • Fim (ou pelo menos diminuição) das marcações de territórios, ou seja, aquela fazeção de xixi pra lá e pra cá, só para dizer, em Linguagem UrinaScript: “ei, ei, eu estou aqui!!”
  • Fim do abandono, pois não mais nascerão ninhadas e ninhadas de gatos para serem despejados como entulhos, e depois partirem o coração daqueles que amam esses coitadinhos! Não dá para não pensar que estamos falando de bebês que sentem dor, frio, medo, etc!!
  • Dependendo da idade em que for realizado o processo (quanto mais novo, melhor!!), diminuição considerável das chances do seu modelo felino desenvolver cânceres do sistema reprodutivo de quaisquer espécie ou tipos, principalmente útero (claro) e mamas nas fêmeas e próstatas nos machos, além de hérnias perianais nos mesmos!
  • Em fêmeas, a castração elimina ainda o risco de infecções de útero ou mesmo a piometra (infecção tão forte no útero que cria pus na cavidade uterina), um processo extremamente doloroso e mortal para o animal.
  • Diminuição considerável, ou mesmo eliminação dos passeios frequentes à rua, seja para brigar, seja para namorar, seja para ficar dias sumido correndo o riscos e mais riscos, seja para fazer sei lá o que esses gatos fazem mais na rua!!
  • O item acima permitirá que seu modelo felino fique mais tempo dentro de casa, você terá muito mais acesso a ele, vocês poderão ser mais amigos e ele será muito mais fiel e devoto a você! Somente você e o sachê terão influência na vida dele, e os hormônios estarão de fora dessa amizade transcendental! Consequentemente, com uma boa amizade felina, você terá menos stress, pressão e batimentos cardíacos normalizados, menos depressão e uma vida plena de amor e saúde!!
  • Com o gato mais confinado em casa, não haverá perigo dele adquirir doenças, que diga-se de passagem, poderão ser transmitidas para você e sua família! Isso aumentará a sobrevida do seu modelo felino, que viverá muito mais tempo saudável com você!
É fácil, aprendam comigo: gato feliz é gato castrado!!

Mas como tudo que é bom gera inveja e preconceito, concorrentes pouco esclarecidos e medrosos disseminam por aí as algumas inverdades, ou seja, alguns mitos a respeito do processo da castração (toda vez que lerem as palavras em vermelho, escutem uma buzininha gritando Pééééééé, porque a afirmativa é FALSA!). Então vejamos:

  • Gatos castrados engordam – Pééééé!! A lógica é bastante simples nesses casos: se seu gato gasta X de energia e você dá 2X para ele comer, é CLARO que ele vai engordar!!!! Pode até ser que o apetite dele aumente, mas com certeza se ele engordar, não vai ser por ele assaltar a geladeira durante a noite! Se você não estimula seu gato a fazer exercícios e o entope de comida, muito provavelmente ele irá se tornar obeso. Mas isso não é culpa da castração. Com a castração, os gatos se tornam um pouco menos ativos, e a distração que ele tinha antes, que era sair por aí brigando ou acasalando com outros gatos, acabou!! Ele vai arrumar outras maneiras de passar o tempo, além de dormir!! Diminuindo a quantidade de comida, ou aumentando as atividades com seu gato, o problema poderá ser resolvido.
Uma coisa que eu noto com gatos castrados é que eles encorpam, e não engordam! O abdome toma uma proporção mais abaulada, preenchendo espaços antes vazios com certa quantidade de gordura. Eu, particularmente, acho que isso os torna ainda mais graciosos, ao invés daquela estrutura magricela e cabeçuda que tinham antes!
Gato Phantom, da Dona Gam, antes da castração!
Percebam como era mais magro e machucado pelas brigas de gatos inteiros.
Gam – Pet & Cats
Gato Phantom, da Dona Gam,
depois de castrado: modelo felino caseiro, limpo e saudável.
E maravilhosamente encorpado!
Gam – Pet & Cats
  • Machos castrados, especialmente quanto mais novo for realizado esse procedimento, desenvolverão Doença do Trato Urinário Inferior dos Felinos – Péééééé!! claro, principalmente se você continuar dando aquela porcaria de ração barata, cheia de fósforo, cálcio, sódio e gordura. Já foi comprovado que a qualidade da ração que você oferece ao seu gato influencia muito mais na saúde do trato urinário inferior do mesmo do que a castração em si! Eu mesma já cansei de presenciar isso!!
Sim, essa doença terrível poderá acometer o gatinho que
é alimentado com ração de qualidade duvidosa
e não por causa da castração!
Refúgio Hotel Pet
  • Meu gato vai ficar preguiçoso - Pééééé! Como havia sido dito, o gato vai perder os seus instintos sexuais, o que o deixará mais desmotivado a perseguir fêmeas no cio, ou as fêmeas saírem para atrair machos, vão diminuir as competições por parceiros sexuais… ou seja, ele ficará mais caseiro mesmo. Mas isso não significa que ele ficará menos ativo, pois poderá passar parte do seu tempo com o dono querido e também com os outros animais que ele convive. E é nessa hora que ele poderá se tornar ativo, quando você pode estimulá-lo com brincadeiras e atividades prazerosas. Entretanto, é bom lembrar que gatos costumam passar grande parte do dia dormindo, o que não quer dizer preguiça, mas sim uma atividade natural de seu processo fisiológico.
Sou castrada e não tenho preguiça!
Apenas estou em um processo contínuo conservação de massa e energia!
  • Preciso tirar um filhotinho “de raça” do meu “animal de raça” - Pééééééé. E com esses pensamento é que surgem criatórios de fundo de quintal, raças descaracterizadas e mais abandono ainda! Passando para frente um filhotinho desses, você apenas contribui para a posse irresponsável. Porque é muito mais provável aparecerem “donos” desinformados e interessados apenas pelo fato do animal ser considerado de raça, por um preço muito mais acessível (ou mesmo nulo), o que aumenta a chance desse animal ser adquirido por impulso. E nesse processo, muitas vezes o novo proprietário não tem muita base a respeito dos problemas relacionados à raça, tanto de saúde quanto de comportamento. E, arrependido da sua “nova aquisição”, o que ele faz com o pobre animal? Sim, mais um abandonado, provavelmente não castrado, para dar continuidade ao abandono e sofrimento!

Agora, o trio parada dura:

  • 1) Mas o gato vai perder a sua diversão/ não vou fazer isso com meu macho!!
  • 2) Mas a gata tem que parir para não ter câncer
  • 3) Mas meu filho deve vivenciar o sentido da vida com o nascimento dos filhotes!!
Péééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééééé!!!!!!!
Eu não queria falar nada sobre isso, pois até então, eu nunca havia escutado nada tão estúpido!. Mas, como estou querendo elucidar os fatos, então vamos às contra propostas:
1) Sexo, para os animais, não é diversão, não é prazer para ter os filhotes com todo amor maternal! É o mais puro instinto animal!! E, sinceramente, muitas vezes sofrido e dolorido! Não faz diferença, pois eles só sentem o desejo sexual no período do cio, ou seja, durante as variações hormonais. E o machismo, felizmente, só acontece na espécie humana!! Para gatos pouco importa se ele é o machãozão gostosão! Eles geralmente seguem um líder, que diga-se de passagem, na maioria dos casos é uma fêmea!! Há!!

Pênis do gato: cheio de espinhos para estimular a ovulação da fêmea!
Duvido que seja algo prazeroso para ela!
Amor e Miados

2) Não se previne câncer com ninhadas de animais!! Aliás, já foi comprovado que a melhor maneira de prevenir um câncer dos sistemas reprodutivos (testículo, ovários, útero, mamas) é com a castração, e quanto menor a idade da castração, mais eficiente será a prevenção!! O câncer é de origem genética e/ou ambiental. Se tiver que acontecer, vai acontecer! E muitas vezes, acontece por causa daquelas injeções de anticoncepcional que são dadas às fêmeas com o intuito de (olha só!!) evitar a procriação!!

Adivinha só: essa imagem horrível pode ser evitada com uma simples castração!!
Diário de uma Veterinária

3) E, sim, concordo que as crianças devem presenciar várias sublimidades da vida, entre elas, o nascimento de um ser vivo. Mas precisa ser exatamente com sua cadela/gata? E depois? Vai descartar esses filhotes, e ensinar o que para ele? Há diversas ONGs lotadas de filhotinhos e gatas paridas abandonadas! Leve-o até lá para que ele aprenda, não apenas sobre o sentido da vida com os filhotinhos, como também sobre ser um ser humano digno ao perceber que existem renegados à própria sorte vivendo pelo mundo e o quanto eles precisam da compaixão humana para sobreviver!

Oba, até que enfim uma foto fofa!!
E, finalmente, mas nem por isso menos importante (aliás, são as minhas favoritas):
  • 1) É muita judiação (ou como dizem por aqui: é muita judiera pru bichinho!)
  • 2)Vai contra as leis de Deus
  • Pééééééééééééééééé!!!
Vou condensar essas duas numa só explicação, pois acho que estão muito interligadas. E vamos refletir também.
Na parte anterior desse post, vimos que todo o processo é feito com anestesia geral, um veterinário competente saberá calcular a dose para que o animal durma durante todo o processo. Além de fazê-lo dormir, esses medicamentos anestésicos produzem amnésia. Na cabeça do bicho, o que se passa é: “fiquei bêbado de uma hora para outra, dormi, não me lembro de nada, e acordei com uma ressaca do caramba e com umas fisgadas na barriga/partes baixas”. O animal não é tão dramático como nós somos. Ao sermos submetidos a uma cirurgia,  já sofremos só de pensar em saber que fomos rasgados por dentro, remexidos e depois costurados, e assim transportamos esse sentimento aos animais! Para eles, é como se um bichinho os tivesse picado (como diz minha mãe!). Portanto, não tem nada de judiação!
Alguns dos mais de 50 gatos do Projeto Viva Gato aguardando a chance de terem um lar:
ISSO SIM É JUDIAÇÃO… OU JUDIEIRA!
Além do que, a castração é muito menos dolorosa do que deixar animais inteiros, que podem se transformar em errantes nos períodos de acasalamento, correndo o risco de serem atropelados, envenenados, mortos, brigarem com outros animais, adquirirem doenças, e que ainda por cima originarão ninhadas que sofrerão esse mesmo destino dos pais, ou que serão abandonadas, geração pós geração!

Se os cães e os gatos estivessem na natureza, até concordo, quem seríamos nós para interferir nessa caminhada da vida? Mas nós, com nosso egoísmo humano, por que trouxemos essas pobres criaturas para nossa sociedade em troca de vantagens? Para viverem junto a nós com seu estilo de vida primitivo e animalesco? Para trazer mais dor e sofrimento do que já causamos por séculos e mais séculos a eles? Por favor, nós somos racionais, sejamos racionais também! Eles estão adaptados a nós, façamos com que o estilo de vida deles apenas seja parte de nossas vidas, e não um problema em nossas vidas!!
E Deus? Sei que cada um tem um Deus desenhado em sua consciência, mas de uma coisa eu tenho certeza: a maioria desenha um Deus bom e misericordioso! Estaria esse Deus de acordo com o abandono e o sofrimento dos animais, apenas porque Ele os fez com um sistema reprodutor? Porque na hora de falar que “Deus que quis” tem um monte de gente! Mas na hora de resgatar uma ninhada abandonada, não aparece um filho de Deus!

Se Deus é bom, então façamos as coisas boas e corretas aos animais!
Eles são nossos irmãos menores e também criaturas divinas!
Tantas coisas, e mais outras tantas balelas são lendas! Castrar só traz benefícios ao animal e aos humanos, como foi dito, é uma cirurgia simples, rápida e tranquila. Então, não tem desculpa, pessoas!! Para quem já castrou seu animal, sabe muito bem dos benefícios que eu escrevi nesses dois posts! Mas para quem ainda não castrou e por um acaso visitou o I/O Gatos, espero que não se ofendam e faça um favor à humanidade e à “animalidade”: dê um jeito, castre o mais rápido possível seus animais e sejam felizes, até o fim dos tempos!!
Porque se a cena de abandono de uma fêmea cheia de filhotes não te toca, sinceramente, acho que nós não pertencemos à mesma espécie!

Vermífugo

20 fev

via site Gateiro

Tira-dúvida: vermífugo

Publicado por Thiago, 20/02/2014

A partir de hoje, vou tirar algumas dúvidas com especialistas que trabalham com felinos. A Dra. Laila Massad Ribas, veterinária e autora do Portal Medicina Felina, é a primeira especialista com quem eu conversei:

Gatos que vivem em ambientes internos, e não têm contato com outros gatos, precisam tomar vermífugos regularmente?

Isso é variável, pois nem todos os parasitas são transmitidos somente entre gatos. A lagartixa, por exemplo, pode transmitir parasitas internos. Consequentemente, gatos que comem lagartixas estão expostos a esses parasitas. Por isso, nas consultas veterinárias, é recomendada a aplicação periódica do vermífugo. E atenção! De qualquer maneira, o vermífugo só deve ser aplicado com a prescrição veterinária, pois o excesso do medicamento pode aumentar a resistência dos parasitas, perdendo a sua eficiência a longo prazo.

Calor Vs Gatos

3 fev

Fonte – Clínica Para Gatos

Rio de Janeiro + Sensação Térmica 43º C + Gatos Domésticos = Alerta!

GATEIROS AMIGOS. Ultimamente atendemos muitos gatos incomodados com o calor excessivo deste verão escaldante. A Pretinha não quer comer. Frederico parece ter perdido peso. Assim vamos listando inúmeras queixas que parecem relacionados ao estresse do calor implacável. Os desconfortos variam bastante e vão desde perda de peso ou mesmo vômitos ocasionais. No entanto, essa situação não diminui a importância de levar os gatos aos seus Clínicos Veterinários, uma vez que muitas doenças manifestam-se de forma semelhante aos sintomas relacionados ao calor excessivo. Por outro lado, banalizar os sintomas como perda de peso, perda de apetite, etc. é perigoso, mas é fato que:
Rio de Janeiro + Sensação Térmica 43º C + Gatos Domésticos = Alerta!
 
www.thepetproductguru.com
  • Troque a água com intervalos menores (Mesmo para Fontes);
  • Se for sair de casa pode colocar outro pote com uma pedra de gelo;
  • Brincadeiras entusiasmadas deverão ser evitadas em períodos com muito calor ambiental;
  • Para gatos já acostumados com ração úmida: incorpore um pouco de água no caldo da ração para aumentar a ingesta de água (não coloque muito porque eles podem perceber!);
  • Atenção Para potes de água e ração próximos de paredes que recebem incidência solar direta.
  • Gatos que já foram acometidos de doenças uretrais deverão ser observados quanto à ocorrência de urina muito concentrada e os Clínicos deverão ser consultados quanto às orientações de manejo dietético e hídrico nestes períodos.
  • Modifique o horário de “encher” o pote de ração para o início da noite. (A ração mesmo preparada para manter-se estável poderá oxidar em temperaturas muito altas. Como normalmente colocamos ração na parte da manhã para sairmos para trabalhar, ao longo do dia a chance da ração ficar menos apetitosa ou inapropriada é maior! Durante a noite e com temperaturas mais amenas, uma ração fresquinha pode ser providencial). Assim, deixa um pouco de ração pela manhã e jogue fora o que não for consumido ao final do dia.
  • Ar condicionado pode? Pode, mas o importante é permitir que o gatão ou a gatinha tenha acesso ao lado de fora se sentirem-se desconfortáveis com a baixa temperatura. Cuidado com as trocas abruptas de temperaturas, ok?
  • Vovozinhosvovozinhas, pacientes com limitações respiratórias, filhotes, gestantes deverão ser supervisionados mais atentamente.
  • Viagens de carro deverão ser agendadas para horários mais amenos se possível. Um saquinho com gelos ou um saco de água pequeno congelado encima de uma toalha dentro do transporte poderá ajudar a enfrentar o transporte.
  • Gatos de pelagem clara precisam ser mais eficientemente protegidos contra os raios UV com protetores solares aplicados de forma mais frequente.
E ao menor sinal de problemas (Mesmo que pareça ter sido causado pelo calor!)

NÃO PERCA TEMPO, LEVE O BICHANO NO CLÍNICO!

Enormes abraços e Saudações Felinas para todos. Carlos Gabriel Dias.
 
Saquinho congelado para amenizar o estresse do calor no transporte.
 
Close do “Ar condicionado” portátil.

Obesidade Felina

30 jan

Fonte – Gateiro.com.br

Obesidade felina exige tratamento especializado

Publicado por Thiago, 29/01/2014

Gatos, assim como os humanos, também podem sofrer com o excesso de peso. E por mais que um felino rechonchudo à la Garfield pareça uma gracinha para muita gente, é importante os proprietários ficarem alertas se observarem que o animal está engordando. A obesidade é uma doença e precisa de tratamento.

“Um sinal claro de que o gato está com sobrepeso é quando se torna difícil sentir suas costelas, sua cintura não é facilmente identificável, seu abdome é distendido e está presente uma bolsa de gordura abdominal”, orienta a médica veterinária da PremieR pet, Keila Regina de Godoy.

Segundo ela, considera-se sobrepeso quando o animal registra de 10% a 15% acima do peso ideal. Entre 15% e 30% acima do peso, considera-se um quadro de obesidade, enquanto acima dos 30% já é obesidade grave.

Na maioria dos casos, a obesidade do bichano é consequência do manejo alimentar inadequado. Por desinformação ou descuido, as pessoas acabam oferecendo uma superalimentação e o pet vai ganhando peso. Isso é particularmente prejudicial aos animais castrados, que possuem maior propensão ao sedentarismo e ao acúmulo de gordura corporal. Mas é algo que pode ser evitado com o uso de um alimento específico para gatos castrados em quantidades corretas.

O QUE FAZER

Em situações de sobrepeso, é necessário introduzir uma dieta adequada de baixas calorias (o mercado oferece alimentos de alta qualidade para este fim e o médico veterinário pode recomendar), além de reduzir os petiscos e aumentar a atividade física. Essas medidas vão permitir que o felino volte ao peso ideal e mantenha sua saúde e qualidade de vida.

Já quando a obesidade está instalada, é importante contar não somente com a orientação, mas também com o acompanhamento do médico veterinário. “A obesidade por si só é uma doença e predispõe o gato a outros problemas de saúde, agravando quadros cardíacos, respiratórios e ortopédicos. Além disso o gato perde agilidade para brincar e para realizar sua higiene. Tudo isso compromete sua qualidade de vida e até sua longevidade, tornando imprescindível o tratamento especializado”, ressalta Keila.

E o tratamento da obesidade tem como ponto central a questão alimentar. O mercado já oferece produtos de nutrição clínica para gatos obesos e o médico veterinário é a única pessoa habilitada que pode orientar a conduta em cada etapa do tratamento. “É preciso garantir um emagrecimento efetivo e saudável, de modo a promover uma perda de peso gradativa, mantendo a massa magra e sem passar fome”. Estimular o gato a brincar e se exercitar também é fundamental”, esclarece Keila.

Após o processo de perda de peso é importante não descuidar. Existe uma fase de manutenção que faz parte do tratamento e ajuda a evitar o “efeito ioiô”. Em alguns casos, os gatos precisam receber alimentos light permanentemente, como prevenção. Mas essa orientação também cabe ao médico veterinário, pois pode variar em cada caso.

Post da 

Confira o site, a fan page e o perfil da marca no Twitter.

2013 in review

31 dez

The WordPress.com stats helper monkeys prepared a 2013 annual report for this blog.

Here’s an excerpt:

The concert hall at the Sydney Opera House holds 2,700 people. This blog was viewed about 33,000 times in 2013. If it were a concert at Sydney Opera House, it would take about 12 sold-out performances for that many people to see it.

Click here to see the complete report.

Agressividade felina | Adestrando Gatos

13 dez

Fonte: Blog Tudo Gato

Pessoas que convivem com gatos sabem o quanto pode ser assustador – e também perigoso – lidar com reações agressivas dos bichanos. Assim, é muito importante procurar entender os motivos dessas reações agressivas, conseguir prevê-las e saber como agir, caso ocorram.

Antes de mais nada, é importante mencionar que a agressividade, por si só, não consiste em um comportamento anormal. Reações agressivas são perfeitamente normais em gatos, cães e outras espécies, dependendo do(s) estímulo(s) desencadeador(es).

Gatos domésticos podem apresentar alguns tipos de agressividade (que pode ser direcionada a pessoas, outros gatos ou animais), sendo a seguir enumerados os mais comumente relatados pelos proprietários:

 -  Foto por Giane Portal / Fofuras Felinas

- agressividade lúdica (ou por brincadeira): o instinto predatório é um dos mais marcantes dos felinos.

Faz parte de seu repertório de comportamentos, como espécie, caçar, encontrar, espreitar e atacar a presa.

Quando são criados em casa, gatos domésticos, especialmente os mais ativos, podem não ter como adotar esse comportamento natural e acabam atacando pessoas que estão andando pela casa, especialmente nos pés e calcanhares.

Na verdade, eles estão buscando dar vazão à necessidade de caçar. Para evitar sustos e machucados, deve-se evitar brincar com o gato usando mãos e pés, desde o momento em que o animal chega à casa, ainda filhote.

Também é importante proporcionar atividades que permitam a ele caçar outros objetos, como brinquedos que se movimentam, bolinhas e laser na parede.

- agressividade por medo:

um gato acuado, sentindo-se inseguro diante de determinada situação, e sem rota de fuga disponível, poderá atacar. Essa reação provocada pelo medo de uma pessoa ou outro gato (ou até um cão) pode gerar ferimentos sérios.

Assim, para evitar esse tipo de situação, não se deve tentar pegar um gato que esteja demonstrando medo e, caso o bichano seja inseguro por natureza, é importante sempre garantir a ele locais seguros, onde ele possa se esconder, além de rotas de fuga alternativas, especialmente se há outros animais que podem persegui-lo na casa.

Para evitar reações agressivas por medo, é importante também entender, através da linguagem corporal, se ele está com medo e, talvez, prestes a atacar, conforme quadro abaixo:

Nessas situações, é importante não punir o gato, pois, diante de uma nova situação similar e futura, a probabilidade de agressão é grande.

O mais indicado é verificar os motivos que levaram ao medo e à reatividade, para evitar que ocorram novamente.

- agressividade territorial: muito comum entre gatos, que são animais territorialistas por natureza.

Bastante relatada em caso de introdução de um novo gato ao ambiente, sem que tenha sido feito um trabalho cuidadoso de introdução, associada a experiências positivas.

Se já identificada, é necessário que seja feito um trabalho de reaproximação cuidadoso, como o que já foi postado no blog, neste post.

Para evitar sua ocorrência, é importante seguir essas mesmas dicas, para que a convivência futura entre os dois gatos seja mais harmônica.

Qualquer que seja o motivo dos comportamentos agressivos, é importante buscar auxílio de um especialista em comportamento felino, para que a identificação das questões e a forma com que elas devem ser tratadas sejam feitas da maneira correta, visando o bem-estar de todos. _________

Texto de Cassia Rabelo Cardoso dos Santos, adestradora da equipe Cão Cidadão.

Criada por Alexandre Rossi, a Cão Cidadão atua há mais de 10 anos com adestramento e comportamento animal. Oferece adestramento em domicílio, consultas comportamentais, além de uma agenda mensal de cursos e palestras. Tudo isso com muito amor e respeito. Para saber mais sobre a Cão Cidadão, entre em contato com a Central de Atendimento, pelo telefone (11) 3571-8138, ou acesse http://www.caocidadao.com.br.

FIV – IMUNODEFICIÊNCIA FELINA AIDS FELINA

9 dez

Fonte – Veterinária de Felinos

Estomatite

O vírus da imunodeficiência felina foi isolado em 1986 a partir de um gato com sintomas clínicos que foram notavelmente semelhantes aos observados em humanos com a síndrome da imunodeficiência adquirida(AIDS), a doença associada com o vírus da imunodeficiência humana(HIV).

Os gatos adquirem a infecção ao serem mordidos por um outro gato que está infectado com o vírus. Os gatos machos não castrados estão em maior risco devido à sua territorialidade e maior propensão para a luta. O contacto casual, não agressivo não transmite o vírus. Também não se deve compartilhar alimentos e tigelas de água ou caixas de areia. “Embora o FIV seja semelhante ao Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), e resulte em uma doença semelhante a AIDS , infecções por FIV está restrita apenas aos gatos ” “Não obstante, do ponto de vista da saúde pública , as pessoas imunocomprometidas não devem ser expostas a infecção por FIV em gatos por causa de outras infecções transmissíveis que estes gatos podem ter. “

FIV progressivamente interrompe a função imune normal. Os gatos expostos ao vírus pode passar por três estágios da infecção : a fase aguda , com duração de 3 a 6 meses, o estágio subclínico , de meses a anos, e na fase crônica ( fase AIDS felina) , o que também pode durar meses ou anos . Gatos na primeira fase ( aguda) da doença leve apresentam febre, linfadenomegalia , letargia intermitente e diminuição do apetite . A maioria dos gatos recuperam sem tratamento , e raramente são apresentadas para cuidados veterinários nesta fase. Gatos então avançam para a fase subclínica , onde permanecem clinicamente saudáveis ​​, embora a sua função imunológica continue a deteriorar-se , como o vírus causa um declínio contínuo nas células CD4 (leucócitos) glóbulos brancos importantes para a função imune adequada. Como indicado acima, esta fase pode durar vários meses ou anos. À medida que suas células CD4 + atingirem níveis muito baixos, a terceira fase da doença se desenvolve , e os gatos podem mostrar sinais de sua doença.

Muitos gatos infectados pelo FIV são saudáveis, e permanecem na fase subclínica durante anos. Outros têm uma história de doença recorrente . Três dos distúrbios mais comuns associados com FIV são estomatite (inflamação da boca) , doenças neurológicas e câncer.

Manifestações comuns de gatos infectados por FIV :

  • Estomatite (inflamação da boca)
  • Câncer ( especialmente neoplasia e carcinoma de células escamosas cutâneo )
  • Ocular (olho) inflamação
  • Anemia e leucopenia (contagens baixas de glóbulos brancos )
  • infecções oportunistas
  • insuficiência renal
  • Doença do trato urinário inferior
  • Distúrbios glandulares ( hipertireoidismo, diabetes)
  • Problemas gastrointestinais crônicos
  • Desordens da pele crónicas

Alcançar um diagnóstico é relativamente simples. Exames de sangue intra-hospitalares projetados para detectar anticorpos contra o FIV são baratos e fáceis de executar, e pode fornecer resultados em minutos . O teste é muito preciso, no entanto, porque os resultados falso positivos são vistos ocasionalmente , um gato que testa positivo em um ensaio em casa deve ter o teste repetido com uma amostra de sangue diferente, ou ter o – de FIV confirmada com um tipo diferente de teste (chamado de teste de Western blot ) .

A terapia é geralmente sintomática. Porém , muitos gatos infectados com FIV responder bem como os seus homólogos não infectadas para medicamentos e tratamentos adequados, embora um curso mais longo ou mais agressivo do tratamento é muitas vezes necessário. Oral, de pele, gastrointestinais ou infecções são tratadas com antimicrobianos apropriados. As condições inflamatórias podem necessitar de terapia com drogas anti- inflamatórias sistémicas , tais como corticosteróides . O tratamento da infecção viral em si é um pouco limitada . O uso clínico de medicamentos antivirais ainda não é muito comum na medicina veterinária . Exceto por interferon felino agora no mercado no Japão, sem drogas antivirais são licenciados para uso veterinário. Em vez disso , os medicamentos humanos devem ser usados ​​nos animais. A maioria dessas drogas são destinados especificamente para o tratamento da infecção pelo HIV. Zidovudin (AZT) tem sido a droga anti- FIV mais estudado . O AZT não parecem melhorar os sinais clínicos e estado imunitário de gatos infectados com FIV , melhorando o tempo de sobrevivência. Infelizmente, tal como com HIV , os mutantes resistentes ao AZT de FIV pode ocorrer tão cedo quanto 6 meses de tratamento . Embora não exista tratamento licenciado ou aprovado que foi mostrado para reverter infecções FIV bem estabelecidos em gatos , um estudo descrito na edição de Agentes Antimicrobianos e Quimioterapia ( o jornal oficial da Sociedade Americana de Microbiologia ) abril de 2003 gerou um pouco de emoção . Nesse estudo , os cientistas do Parker Hughes Cancer Center, em Roseville , Minnesota relatou o sucesso do tratamento de gatos cronicamente infectados com FIV usando uma droga chamada stampidine . Os gatos no estudo mostraram uma queda da carga viral , quando tratados com a droga. Em doses mais elevadas , stampidine eliminado FIV em gatos , sem efeitos colaterais. Nenhuma decisão ainda foi tomada quanto a saber se esse medicamento será disponibilizado para gatos. Os proprietários de gatos FIV -positivos devem manter seus gatos estritamente dentro de casa, não só para evitar que seu gato de espalhar a doença para outras pessoas , mas para evitar que seu gato imunossuprimidos de serem expostos a agentes infecciosos realizadas por outros animais.

Os proprietários de gatos FIV -negativos devem manter seus gatos dentro de casa, para evitar encontros com gatos infectados. Gatos que fazer ao ar livre go devem ser esterilizados e castrados , para limitar a propagação de FIV , diminuindo lutando e comportamento de roaming.

Em março de 2003, o Departamento de Agricultura dos EUA aprovou a primeira vacina contra o FIV . A vacina já está disponível para médicos veterinários de todo o país . Embora a vacina é dito para proporcionar imunidade contra a infecção por FIV razoável , a sua utilização permanece controverso. O teste de FIV atual é concebido para detectar anticorpos contra o vírus. Os gatos vacinados contra FIV irá desenvolver anticorpos contra o vírus. Como tal, se um gato de estado vacinal desconhecido é apresentado a um veterinário ou abrigo de animais , e que o gato testa positivo em um teste de FIV em casa, de momento não é possível distinguir se os anticorpos em seu sangue desenvolvido em resposta à anterior vacinação , ou em resposta a uma infecção natural . Até é desenvolvido um teste que pode distinguir entre anticorpos induzidos pela vacina contra anticorpos que surgiram devido a infecção natural , os veterinários devem avaliar os potenciais riscos e benefícios da vacinação com base em cada estilo de vida e gatos circunstância individual.

Com os devidos cuidados , os gatos infectados pelo FIV podem viver muitos anos, e , de facto, podem morrer de doenças comuns aos gatos idosos e não de doenças relacionadas com a sua infecção pelo FIV . Qualidade de vida para os gatos FIV positivos é geralmente muito bom . Quando os gatos devem ser testados para FIV ?

• Se o gato nunca foi testado antes de

• Se o gato está doente , mesmo que o gato testou negativo no passado, se a exposição posterior não pode ser descartada

• Quando o gato é adotado , independentemente de saber se existem ou não existem quaisquer outros gatos em casa

• Se o gato foi recentemente exposto a um gato infectado

• Se o gato foi recentemente exposto a um gato de estado desconhecido

• Se você está pensando em vacinar o gato contra o FIV

Imagem

Atenção No Seu Gato

2 dez

imagem-sac3bade

Fonte - http://blogfelino.wordpress.com/2013/12/01/105/

 

Mas o que é Alimentação Natural?

4 nov

FONTE – Blog Amor & Miados

Texto traduzido de - http://feline-nutrition.org/nutrition/just-what-is-raw-feeding-anyway

“Todos os gatos, grandes e pequenos são carnivoros de verdade, carnivoros estritos. Isso significa que eles precisam comer carne para sobreviver. Gatos não podem ser vegetarianos. Os gatos evoluiram na condição de predadores e seus corpos foram especificamente projetados para processar uma dieta baseada em presas. Isso é uma verdade incontestavel para tigres ou para o gatinho no seu colo.

cat lion mirror

Felinos carnivoros estritos

Alimentação natural é uma maneira de alimentar os gatos com uma dieta mais proxima do que eles teriam na natureza, uma dieta apropriada para sua especie e que, em primeiro lugar, se encaixa em todas as necessidades nutricionais deles. Os beneficios para o seu gato são enormes. E não é tão dificil assim. Alimentação natural, em outros países, ja pode ser comprada pronta e entregue em sua casa, ou você mesmo pode fazê-la com o acompanhamento de um veterinário especialista em nutrição.
A DIETA DO GATO NA NATUREZA
Por que deveriamos prestar atenção no que os gatos comem na natureza? Porque gatos não são realmente domesticados. Os humanos não mudaram os gatos tanto assim. Não mexemos com suas bases e seu lado selvagem e habilidade de caça foi o maior atrativo para nós. Alimentar gatos com comidas processadas e cheias de carboidratos inuteis é algo recente. E não é coincidencia que, no mesmo periodo, houve uma dramatica exibição do aumento de doenças e obesidade nos gatos.
Na natureza os gatos comem presas inteiras e cruas. A dieta deles inclui ratos, camundongos ou qualquer outro roedor disponivel. Coelhos, insetos, anfibios e passaros tambem. Eles geralmente comem o animal inteiro, ossos, carne, cerebro, orgaos e pêlo. O organismo deles foi feitos para metabolizar esse tipo de dieta que possui niveis altos de umidade, proteina e pouquissimos carboidratos.
 cat-bird_wide-85ce4b8383b9440d3ff03413cdd913513e9737bf
Essa dieta é utilizada a milhares de anos e por isso, os gatos de hoje em dia continuam sem conseguir processar carboidratos muito bem. Os gatos obtem maior parte de sua energia da glucose proveniente do que o figado processa a partir da proteina e não de carboidratos.
Não somente os carboidratos são dificeis para o organismo do seu gato lidar, como tambem são prejudiciais para a saúde dele. Pense sobre isso da proxima vez que você ver uma embalagem de ração para gatos, com vegetais e grãos.
All Life Stages Dry Dog Food in a Bowl  Shop AllPetNaturals
prático para nós não significa melhor para eles
Muitos dos nutrientes que os gatos precisam vem de fontes animais. Ácido araquidônico, uma gordura saúdavel essencial, é encontrado somente na carne. Gatos precisam consumir vitamina A de fontes animais pois, ao contrário dos cães e humanos, não possuem habilidade de obtê-la através do beta caroteno, que é derivado de plantas. Taurina é essencial para gatos e é encontrada em carnes e insetos. Deficiencia de taurina pode causar cegueira e problemas de coração.
E INTOXICAÇÃO ALIMENTAR?
Você pode se preocupar com salmonella. Claro que existe mas assim como a carne que você prepara para seu consume, seguir regras básicas de higiene e manejo minimizam o risco.
Gatos são muito resistentes à bacterias como salmonela, o que faz bastante sentido para um animal que evoluiu com o consumo exclusivo de carne crua. O estomago deles é muito mais acido do que o dos seres humanos e o trato digestivo bem curto, mais curto do que qualquer outro mamifero. Todo o processo de digestação é feito em apenas 12horas. Isso não dá tempo para a bacteria proliferar e causar doenças em um gato.
Comparado com humanos, que demoram 36-48 para processar comida, você pode ver porque humanos são mais sensiveis à bacterias. A maioria dos parasitas não resistem ao congelamento da comida.
 IMG_5297
freezer da Lucas Pet Supply, uma loja que prepara e vende AN, em New York
No livro “Seu gato: novos segredos simples para uma vida mais longa e melhor” da medica veterinaria Elizabeth Hodgkins, ela afirma: Se não há objeções em manter uma dieta natural para felinos em cativeiro, por que haveria objeções em alimentar um gato assim? O primeiro problema seria a possibilidade de intoxicação alimentar por contaminação da carne. Logicamente isso é uma possibilidade assim como a intoxicação em humanos que comem carnes cruas ( eu adoro sushi e sashimi! ), mas também é um risco altamente controlado e um medo exagerado, na minha opinião e de muitos outros médicos veterinarios. Alimentação natural para gatos hoje em dia é uma realidade e está disponivel em varios petshops, para ajudar estes donos. Essas carnes são cuidadosamente manejadas e congeladas imediatamente após o preparo.
UMA ALTERNATIVA SAÚDAVEL
O seu gato faz parte da sua familia e é claro que você quer dar o melhor para ele. Há evidencias crescentes que a ração seca causa muitos problemas de saúde e gatos estão sofrendo cada dia mais, em grandes escalas. A dieta é uma parte fundamental na saúde de seus animais. Escolher uma dieta que reflete o que eles iriam comer na natureza faz muito sentido. Alimentá-los com alimentação natural balanceada é alimentá-los com uma dieta saúdavel. O organismo dos gatos foi feito para viver perfeitamente bem com este tipo de alimento.

capture-20131103-154741

Dietas cruas, sejam comerciais ou feitas em casa, usualmente consistem em carnes, ossos e orgãos, além de ovos e suplementos. Algumas dietas cruas comercializadas tambem oferecem vegetais, mas uma parcela bem pequena. Note que grãos ( milho, soja, etc ) são inexistentes.
Gatos não são vacas. Grãos não possuem lugar na dieta de um gato. Ração seca e patê de lata de baixa qualidade possuem basicamente somente grãos.
O objetivo é alimentar nossos gatos com uma dieta baseado em “presas” cruas sem precisar utilizar presas vivas de fato.”

Câncer de mama em gatas

16 out

Publicado no site Gateiro por Thiago, 16/10/2013

Estamos no Outubro Rosa, mês de prevenção e combate ao câncer de mama. Toda gateira deve fazer o exame periódico para se proteger, mas poucas pessoas sabem que a doença também acontece em animais. Eu conversei com Dra. Laila Massad Ribas, veterinária e autora do Portal Medicina Felina, sobre o assunto.

Como a doença se caracteriza?

O câncer de mama é um tumor maligno que acomete os tecidos mamários das gatas, das cadelas e das mulheres. Nas gatinhas o tipo de câncer mais comum é o carcinoma. Apesar de ser mais frequente em cadelas, a cada 10 tumores de mama em gatas, entre oito e nove são malignos, ou seja, são cânceres.

Por que a doença acontece?

Na maioria dos casos o desenvolvimento do câncer está relacionado à produção de hormônios pelos ovários. As injeções anticoncepcionais aplicadas em pet shops são hormônios e estão, comprovadamente, relacionadas com o desenvolvimento de câncer de mama nas gatas.

É possível realizar um exame preventivo? Qual seria a técnica? E a periodicidade?

O exame físico das mamas é o melhor método. Ele é feito através da palpação de toda a cadeia mamária dos dois lados. Esse exame deve ser feito anualmente pelo veterinário ou em casa pelo proprietário. Quanto mais cedo detectada a doença, melhor. As vezes o proprietário sente apenas uma bolinha bem firme na mama. Essa bolinha pode ter inicialmente o tamanho de um grão de arroz.

Caso o veterinário detecte a presença de algum tumor nas mamas, ele vai precisar fazer exames como a citologia, a biópsia e exame de raios-x de tórax para ver se não há presença de metástase (etapa em que o tumor se espalha para outros órgãos).

Há uma pré-disposição para desenvolver a doença a partir da idade?

Sim, as gatinhas com mais de sete anos têm maior predisposição, mas é essa doença pode acometer até mesmo as mais novinhas.

Há predisposição racial?

Sim, as gatas siamesas ou descendentes de siamês possuem duas vezes maior risco de desenvolver o câncer de mama.

A castração evita infecções no útero. Ela também pode ajudar a combater o câncer de mama?

Sim, a castração precoce é o melhor método preventivo do câncer de mama. Quando digo precoce, quero dizer antes do primeiro cio, que pode ocorrer entre cinco e sete meses de vida. Por isso é bom castrar as gatinhas assim elas que acabarem de tomar as vacinas na infância. Se a gata não é castrada, ela tem mais chance de desenvolver esse câncer. A aplicação de anticoncepcional aumenta muito o risco! Nunca aplique esse hormônio na sua gatinha!

Como funcionam os tratamentos para a doença?

O tratamento é baseado na remoção total das mamas. A cirurgia é bastante radical e requer cuidados nos pós-operatório. A quimioterapia pode ser indicada em alguns casos.

Os tratamentos têm eficácia?

Sim, mas isso depende muito da época em que o tumor foi descoberto. Quanto mais cedo melhor!

A doença acontece somente em fêmeas?

Não, aproximadamente de 1% a 5% dos cânceres de mama acometem machos.

Vamos falar um pouco mais sobre as cadelas?

Nas cadelas os tumores de mama são bem mais frequentes. Entretanto, no caso delas 40% dos tumores são benignos, ou seja, não há potencial para se espalhar para outros órgãos.

Dermatofitose (Tinha, fungo, micose de gatos)

15 out

Fonte – Blog Veterinária de Felinos – Dra Melissa Orr

Dermatofitose, frequentemente chamada de tinha, é uma infecção fúngica que acomente as camadas superficiais da pele e áreas cornificadas da pele e unhas. Quase todos os casos felinos (cerca de 95 %) são causados por Microsporum canis. O gato também pode estar infectado por trichophyton mentagrophytes e Microsporum gypseum. A exposição direta ao fungo não resulta necessariamente em infecção e nem sempre a infecção causa sinais clínicos. Gatos de pêlo longo tem maior probabilidade de sofrer infecções sintomáticas. O período de incubação típico vai de 1 a 14 semanas, mas alguns gatos permancem portadores assintomáticos por longos períodos. As lesões tem o típico aspécto de áreas circulares de alopecia, mas esse aspécto pode ser tão diversificado que devemos suspeitar de dermatofitose em pratica

mente qualquer gato com doença cutânea, inclusive os acometidos por dermatite miliar. Os fatores de risco são imunossupressão, locais onde vivem muitos gatos, desnutrição, más condições de higiene e ausência de quarentena para novos gatos que chegam a uma habitação onde já vivem vários gatos.
DIAGNÓSTICO
-Sinais clínicos:
As lesões clássicas podem estar leve ou moderadamente pruriginosas, acompanhadas de alopecia parcial ou maculosa e formação de escamas e crostas. Frequentemente os gatos estão acometidos na cabeça, face, e membros anteriores. Contudo, dermatofitose pode  parecer-se com qualquer distúrbio felino na pele ou nas unhas.
-Exame com lâmpada de Wood
-Cultura para fungos
TERAPÊUTICA PRIMÁRIA
- Quarentena
-Terapia tópica- clotrimazol / miconazol
-Terapia sistêmica- griseofulvina / cetoconazol
-Controle do ambiente
-Corte dos pêlos
-Vacinação- deve ser associada ao tratamento geral.
 A DERMATOFITOSE É CONTAGIOSA PARA OS SERES HUMANOS, TRATANDO-SE DE UMA ZOONOSE.
PROGNÓSTICO
Alguns gatos tem infecções autolimitantes, mas a infecção persistente, estado de portador ou zoonose justifica o tratamtneo intenso. Em geral o prognóstico é bom se forem tomadas medidas terapêuticas rigorosas.

Como Cuidar Bem do Seu Gato – Obesidade Sob Controle

15 out

Fonte - Blog Felino

Da série Resumão, abordando o tema “Como cuidar bem do seu gato”, por C. Pinney. Confira! www.bafisa.com.br – RESUMÃO

OBESIDADE SOB CONTROLE – GATO EM FORMA

Imagem4# O gato é considerado obeso quando o excesso de peso atrapalha sua via, impedindo-o de pular ou brincar. O peso ideal é difícil de estabelecer, uma vez que depende da raça e do tamanho. Normalmente oscila entre 2,5 e 10 quilos.

# Pesar em casa somente o gato é tarefa árdua. A solução é você se pesar em uma balança caseira e depois fazer o mesmo segurando o gato no colo. Subtraindo a segunda pesagem da primeira, você saberá o peso do animal.

# A obesidade é causada por gulodice, excesso de comida e falta de exercício.

# O excesso de peso predispõe o gato a distúrbios hepáticos, diabetes, hipertensão e doenças articulares.

# Cortar a quantidade de comida que você oferece as seu gato não basta:

  1. Evite também guloseimas e petiscos.
  2. A escassez de comida pode levar a deficiências nutricionais.

# Para conseguir que seu gato perca peso, alimente-o com ração específica para dieta de baixa caloria indicada pelo veterinário.

  1. Esse tipo de ração é rico em fibras e pobre em calorias, mas mantém seu gato saciado.
  2. A dieta deve ser rica em aminoácidos, que promovem a perdaimagem3 de peso.
  3. A quantidade recomendada, variável conforme a marca da ração
  4. , depende do peso a ser alcançado. A perda de peso deve ser de 1% por seman
    a até o período de quatro meses. Pese o gato toda semana para que você avalie os progressos alcançados.
  5. Aumente a atividade física do gato. Como gatos gostam de
  6. brincar, passe mais tempo fazendo isso com ele. Caso o animal esteja habituado à coleira, passeie com ele todos os dias, por dez minutos.

Beneficios dos Meaty Bones para gatos

1 out

Do blog Amor e Miados

*Meaty Bones = ossos carnudos
 
Para os gatos, comer da forma que a natureza os desenvolveu, significa um enorme alcance de beneficios da saúde fisica, fisiologica e psicologica que uma dieta não-natural, cozida, enlatada ou em forma de grãos ou até mesmo somente carne bovina crua, não consegue oferecer a eles. 

Como alimentamos nossos gatos é um ponto crucial. Quanto mais proximo de uma alimentação inteira, sem processamento, crua, melhor para eles. 

Na natureza os gatos comem presas inteiras. Gatos são naturalmente equipados com mandibulas fortes e dentes afiados, proprios para arrancar e partir carne, mastigando os ossos de pequenos animais. 
codornas são um otimo exemplo de presa inteira para um gatinho
 
Eles também possuem acidos estomacais muito fortes, assim como tratos digestivos bem curtos que foram feitos para processar ossos e carne crua de maneira eficaz. Se você alguma vez já testemunhou um gato comendo um rato que caçou, pôde perceber o quanto comer presas inteiras e cruas é perfeitamente natural para estes felinos. 
Baunilha e um meaty bone de codorna – coxa e sobrecoxa -

Os ossos crus são consumidos, primeiramente, por seus valores nutricionais. São uma fonte de calcio natural e altamente digerivel, oferecendo um equilibrio natural entre os niveis de fosforos encontrados na carne crua. 

Calcio adequado é vital para o crescimento e desenvolvimento e para a composição correta dos dentes e ossos, assim como a estrututura das articulações. É vital também para a contração muscular do corpo, incluindo o musculo cardiaco e engloba varios outros processos metabolicos. 

O calcio de ossos crus pode ser 4x mais digerivel que grande parte dos suplementos de calcio no mercado. Os ossos também possuem pequenas quantidades de cartilagem ( que ajudam a proteger contra artrite ), medula ossea e outros minerais que são vitais para  a saúde do esqueleto dos gatos. 
comidinha da Baunilha com dorso de frango como meaty bone

Um bom osso carnudo também é importante para o trato digestivo dos carnivoros, já que possui ação limpadora, oferecendo volume à dieta e ajudando o intestino a se movimentar de forma correta. 
 
Gatos irão preferir ossos menores e mais macios. Pescoços e asas de frango são os mais populares, assim como pedaços de coelho. Carcaças de frango ( dorso ) também agradam. Muitas pessoas não acreditam que gatos comem ossos, mas gatos são capazes de comer um coelho inteiro, começando pela cabeça, mas a maioria deles simplesmente opta pelas partes mais suculentas e faceis. 



Gatinha tripé, gordinha e com sino que caçou e comeu um filhote de coelho
Um gato adulto pode ser mais resistente ao consumo de ossos, principalmente se ele possuir dentes ruins por ração seca industrializada. O ideal é oferecer os ossos carnudos quando ainda são filhotes e continuar o habito. 
pescoços de galinha podem ser oferecidos inteiros ou em rodelas
Gatos alimentados com uma dieta crua e com ossos são incentivados a usar a mandibula e os dentes. As ações de puxar, arrancar e abocanhar os pedaços da carne e dos ossos promove um atrito e escovação natural para os dentes o que ajuda a deixar as gengivas saudaveis, dentes brancos e limpos e as mandibulas fortes. E uma boca saudavel é parte muito importante na saúde do animal como um todo. 
 
O gato da esquerda, que se alimenta de ração comercial, tem dentes muito ruins. Este animal sofre com doenças periodontais dolorosas e os dentes cobertos de tartaro. Essas condições são um resultado direto de uma alimentação não-natural altamente processada e cheia de carboidratos, por um grande periodo de tempo. 



O gato da direita tem sido alimentado com uma dieta de comida crua e como resultado, possui excelente saúde oral. Isso ocorre graças ao atrito natural da carne e ossos, que mantém as gengivas e dentes saudaveis. 
 
Tantos gatos são alimentados com comida industrializada que um enorme numero deles sofre com problemas dentarios ou de gengivas. E, gatos com uma má saúde oral, acabam sendo mais propensos à mal halito e bacterias nocivas, ocasionando problemas de saúde mais sérios e graves por todo o seu corpo. 
Arthur, depois de  7 meses de AN, se deliciando com um pescoço de codorna
O mal cheiro cronico da boca de um gato é mais do que algo desagradavel, é o sinal que o seu animal não está sendo alimentado de forma correta. 
 
Oferecer uma dieta de carnes cruas, com ossos carnudos e carcaças geralmente diminui e até mesmo resolve o problema.”   
Texto construido com traduções de:

Vets All Natural - http://www.vetsallnatural.com.au/index.php?option=com_content&view=article&id=88&Itemid=103

Raw Fed Cats - http://www.rawfedcats.org/benefits.htm

Acidentes domésticos com animais de estimação: como agir?

11 set

Fonte – Homeopet

O ambiente de uma casa tem uma relativa aparência de segurança para o seu bichinho de estimação. No entanto, os riscos de acidentes com animais são enormes, dependendo da raça, espécie e idade.

Em relação aos animais, Os acidentes domésticos mais comuns são:

- Roedores, como coelhos, que roem fios de utensílios domésticos e acabam se eletrocutando; principalmente se os aparelhos estiverem ligados à tomada elétrica.

- Aves ornamentais, como calopsitas, que ao ficarem soltas aterrissam muitas vezes em panelas quentes ou no próprio fogão aceso após voos desordenados.

- Os répteis, como as cobras, que por curiosidade ou instinto acabam entalando em canos de água.

- Os gatos; principalmente os mais jovens, que tendem a engolir linhas soltas em brincadeiras, o que acaba levando a problemas intestinais.

- Cães e gatos que ingerem produtos tóxicos, como águas sanitárias e desinfetantes.

A ingestão de produtos tóxicos é bastante comum, principalmente quando se trata de animais mais jovens, o que pode ser muito prejudicial ao pet. O atendimento rápido por um Médico Veterinário aumenta as chances de vida do animal intoxicado e para isso podemos sugerir algumas ações simples:

- Identifique o produto ingerido e se possível leve a embalagem do produto ingerido juntamente com o animal até a Clínica veterinária mais próxima ou de sua confiança.

- No caminho, ou antes, de sair; procure informar ao Médico Veterinário o que está acontecendo, para que os profissionais e a equipe se preparem para chegada do animal em emergência.

- Não provoque vômitos no animal se não tiver a plena certeza de que o produto ingerido não é causticante, pois esses produtos  queimam as mucosas da garganta do animal na hora da ingestão e também queimarão com o vômito, piorando o quadro clínico do seu animal.

- Não ofereça comida e muito menos leite ao animal intoxicado, pois na grande maioria das vezes o leite acabará facilitando a absorção do veneno, piorando o estado geral do animal.

Fonte: Magda Izidio de Souza, Médica Veterinária - http://animalplanet.discoverybrasil.uol.com.br

Como prevenir a formação de cálculos urinários

11 set

Fonte – Gateiro

Publicado por Thiago, 11/09/2013

Dificuldade para urinar, sangue na urina, apatia e depressão, falta de apetite pelo desconforto e dores frequentes são os principais sintomas dos cálculos urinários em gatos. O problema é relativamente comum e a evolução varia de acordo com a localização do cálculo e o grau de obstrução da passagem da urina, podendo se agravar e, e em casos graves, causar coma e até a morte.

As principais causas do problema estão no fato de os bichanos naturalmente beberem pouca água e no estilo de vida moderno, que inclui uma rotina sedentária e oferta abundante de alimentos. E como tudo o que diz respeito à saúde, o melhor remédio é prevenir. E a prevenção dos cálculos está diretamente relacionada a questões nutricionais, segundo a médica veterinária Keila Regina de Godoy, da PremieR pet.

Ela esclarece que os principais “candidatos” ao problema são os bichanos castrados, inativos e acima do peso, mas que a prevenção vale para todos, sem exceção. “É preciso estar atento à qualidade do alimento consumido, ao manejo alimentar e à quantidade de água que o gato ingere por dia”, orienta.

A especialista indica as principais medidas que é preciso tomar rotineiramente:

Alimento - oferecer apenas alimentos específicos e de alta qualidade, ou seja, premium especial ou super premium. Já são formulados e balanceados para promover um pH urinário adequado à prevenção dos principais tipos de cálculos, possuem minerais em quantidades ideais e contêm proteínas de alta qualidade, fundamentais para a prevenção do problema. Também é importante optar por um alimento específico para a faixa etária do gato, pois a predisposição a determinados tipos de cálculos varia com a idade e a formulação do alimento leva isso em consideração.

Manejo - seguir rigorosamente as quantidades diárias de alimento recomendadas pelo fabricante. E caso o gato não consiga se controlar em relação à quantidade ingerida, é indicado fracionar a oferta de alimento em pelo menos quatro refeições. Importante evitar a todo custo que ele coma uma única grande refeição diária, pois esse hábito promove extremos de pH urinário que podem facilitar a formação dos cálculos.

Água - um volume adequado de água todos os dias é fundamental para prevenir o aparecimento dos cálculos urinários. Gatos gostam muito de água limpa, fresca e corrente, por isso é bom oferecer uma fonte específica para eles (encontradas em pet shops), o que estimula naturalmente a ingestão. Ou então deixar à disposição potes de água espalhados em todos os lugares onde eles costumam ficar e trocar a água diariamente. Potes amplos e rasos são os preferidos dos felinos, pois eles não gostam da sensação de encostar os bigodes no pote de água. Importante: não é recomendado acostumá-los a beber direto da torneira. É algo que eles gostam muito, mas gera uma dependência da presença do dono e eles podem não querer beber água por longas horas se estiverem sozinhos.

Bandeja sanitária - gatos são animais extremamente asseados, exigentes e muitos seguram a urina e se recusam a usar uma bandeja que não foi limpa. E esse hábito pode ser um problema, pois a urina muito tempo parada na bexiga favorece a agregação de partículas e a formação dos cálculos. Portanto, é fundamental manter um número adequado de bandejas sanitárias, que deve ser correspondente ao número de gatos mais uma sobressalente. Ou seja, um gato necessita de duas bandejas, três gatos necessitam de quatro bandejas e assim por diante.

Rotina saudável - o controle de peso e a boa saúde dependem da alimentação e também de uma vida ativa. Por isso, recomenda-se estimular o gato a brincar e manter uma atividade física frequente. O enriquecimento ambiental com a oferta de brinquedos pela casa é uma boa conduta para incentivar o felino a se movimentar mais, além de evitar que fique entediado.

Post da 

Confira o site, a fan page e o perfil da marca no Twitter.

Resgatei um filhotinho, e agora?

11 set
564426_190501871083135_871534390_n

Publicado por  em quarta-feira, setembro 11, 2013 · Comente

Algumas vezes estamos andando pelas ruas e nos deparamos com uma caixa de papelão. Isso já dá aquele frio na espinha né, porque como bons protetores de animais, logo pensamos: será? Será que é o que nós não gostaríamos que fosse?

E aí a curiosidade e a consciência não nos deixam escapar, nos levando direto à caixa de papelão onde constatamos: sim! Filhotinhos de gatos!

E porque não gostaríamos que fosse? Pelo simples fato de ser complicado fazer com que a ninhada, muitas vezes nova demais, sobreviva sem a mãe.

Como aqui no gatil Chico nós já resgatamos muitos filhotes, tanto ninhadas recém-nascidas quanto um pouquinho maiores, acabamos aprendendo na prática algumas coisas simples que fazem toda a diferença na hora de cuidar desses pequenos.

Resgatou filhote com olhinho fechado

Os filhotes de gatos e cachorros nascem com olhos fechados e só abrem a partir do 9° dia de vida. A mãe sempre lambe como forma de limpeza e estímulo para a abertura dos olhos, mas nós NÃO devemos forçar essa abertura. O que você pode fazer é passar suavemente um algodão umedecido em soro fisiológico para limpeza diária e deixe que os olhinhos vão se abrindo sozinhos e naturalmente.

Dos primeiros dias aos 3 meses de idade

Alimentação:

A primeira e importante dica é: o gatinho não vai aceitar a mamadeira assim com tanta facilidade, você vai ter de forçar um pouco a mamadeira na boquinha dele (com delicadeza, claro), e apertar levemente para que o gatinho sinta o leite. Assim ele vai começar a associar que deve sugar e então começará a mamar. Insista até ele mamar naturalmente, alguns filhotes resistem um pouco, demoram para aprender, mas você deve insistir.

Muitas receitas giram por aí, já tentei todas e comprovei muita coisa, a mais importante é que leite de vaca não sustenta! Não adianta, você pode dar a cada 2 horas leite de vaca com ovo, com isso e aquilo, não adianta, mesmo assim o gatinho vai enfraquecendo, pois não tem os nutrientes que ele necessita.

A melhor receita até hoje, com a qual já salvamos muitos filhotes é dar LEITE DE CABRA. Muito usado até para bebês humanos recém-nascidos, pois têm muitos nutrientes e sustenta maravilhosamente bem!

Adicione pitadas de açúcar ao leite, de forma que fique levemente doce.

Se o gatinho têm apenas dias de vida, dê o leite de cabra morninho a cada 2 ou 3 horas ou a cada vez que ele pedir, assim se sentirá sustentado, dormirá bastante e te dará algumas horinhas de folga rs
Na segunda semana que ele estiver com você, na panela que você deixar o leite, coloque uma ou duas ameixas, isso ajudará no intestino do gatinho, ela soltará nutrientes no leite e fará com que o gatinho não sinta cólicas por causa do intestino preso.

Depois de um mês apenas no leite de cabra levemente adoçado, você pode adicionar Mussilon de arroz ( o de aveia dá diarreia). Isso faz com que o filhote fique mais sustentado, durma melhor e sinta menos fome, dando maior intervalo nas mamadas.

Filhotes nessa idade precisam de estímulo para fazerem suas necessidades fisiológicas, algo que imita muito bem a língua da mãe gata é papel higiênico seco. Você deve passar suavemente nas partes “íntimas” do gatinho, ele certamente fará muito xixi.

Por só se alimentar de leite, fará cocô a cada dois dias, mas vá estimulando sempre.

Quando sentir fome, o filhote começará a miar muito, o ideal é, antes de dar mamadeira, você estimular o xixi dele, dessa forma mama tranquilamente e dorme logo em seguida, ou brinca um pouco, mas não ficará miando por causa das necessidades fisiológicas.

Algumas vezes as pessoas dão mamadeira, mas o gatinho continua miando, isso porque eles querem fazer xixi mas precisam do estímulo, por isso é importante estimular antes da mamada.

Nessa idade eles sentem muito frio, são muito frágeis e indefesos, incapazes de se esquentarem sozinhos, mesmo que estejam em ninhada.

Você deve esquentá-los colocando uma bolsa térmica quentinha (MUITO cuidado para que a bolsa não esteja quente demais, atenção redobrada nisso!). Coloque a bolsa quente e um pano por cima dela, assim os gatinhos não ficam em contato direto.

Pode também colocar uma lâmpada, dessas amarelas mesmo. Coloque os gatinhos em uma caixa de papelão com panos e meça de 3 a 4 palmos de distância dos gatinhos, então coloque a lâmpada acessa.

Verifique com suas mãos a cada hora, se não está quente demais para eles. Caso esteja, aumente a distância da lâmpada.

Início da Ração

Quando ele completar por volta de um mês e meio, você pode começar a oferecer ração úmida bem molinha, ração de filhote molhada ao leite ou sachês para instigar o ato de mastigar.

Com aproximadamente 2 meses você pode começar a oferecer ração de filhote seca, eles já terão os dentinhos e estarão começando a se adaptar bem a nova alimentação.

Aos poucos eles não vão precisar de estímulos para fazer as necessidades e você poderá ir deixando perto deles a caixa de areia, é instintivo do gatinho fazer as necessidades ali e enterrá-las.

É sempre bom você levá-lo ao seu veterinário de confiança para vermifugar, oferecer alguma vitamina adicional para fortalecer a alimentação e outros cuidados básicos como vacinação.

Lembre-se que filhote de gato, cachorro ou qualquer outro animal é igual a um bebê humano, requer cuidados, carinho e paciência.

Lírios Vs Gatos = Combinação Fatal

3 set

Fonte – Dicas Peludas

Gatos, por serem pequenos e muito sensíveis, com a ingestão de apenas 1-3 folhas, pétalas ou mesmo o contato com o pólen do lírio, pode resultar  no seu envenenamento. O socorro e tratamento deve ser imediato, do contrario, uma insuficiência renal aguda irá se desenvolver e ser fatal. A mortalidade chega a 50% dos animais atendidos. Felizmente,nos cães, envenenamento por lírios não causam insuficiência renal , mas se uma grande quantidade for ingerida, pode resultar em alguns incômodos gastrointestinais.

Gatos filhotes por serem muito curiosos e brincalhões são as maiores vítimas, porém os adultos também são bastante afetados, pois o simples fato de pisar ou roçar no pólen pode contaminar o gato no momento de sua higiene quando se lambe .

 Sintomas

Os primeiros sinais normalmente aparecem de 6 – 12 horas após a ingestão, e podem mimetizar com os sinais observados com a toxicidade de uva passa e anticongelante (etileno-glicol) .

Os primeiros sinais observados são:

  • vômitos
  • letargia
  • perda de apetite
  • tremores
  • convulsões

Insuficiência renal (insuficiência renal) :

  • aumento da sede
  • micção aumentada inicialmente, seguida pela redução da produção de urina, e, finalmente, para de urinar.
  • desidratação
  • morte

A insuficiência renal ocorre de 36-72 horas após a ingestão.

Cuidados Imediatos

  1. Se o seu gato ingeriu recentemente qualquer parte de um lírio e não vomitou, ligue para o seu veterinário para ver se você deve induzir o vômito antes de levá-lo para um hospital ou não.
  2. Vá para o hospital veterinário mais próximo. É uma emergência!
  3. Quanto mais cedo ele receber tratamento, melhor serão suas chances de sobrevivência. E, se puder, leve um pedaço da planta para o hospital.

Tratamento 

Não há antídoto específico para a intoxicação causada pelo lírio, mas a chance de sobrevivência será aumentada com a fluidoterapia o mais cedo possível. Ao colocar o gato em um gotejamento, ajuda os rins a eliminar a toxina e limitar os danos nesse órgão. O tratamento deve continuar por vários dias até o gato está recuperado. Se um gato é socorrido de imediato logo após a ingestão, antes mesmo de ocorrer vômito,  pode ser útil  induzir o vômito para tentar impedir que a toxina continue sendo absorvida, ou fazer a lavagem do estômago com carvão ativado para reduzir ainda mais a absorção.

Como saber qual Lírio é tóxico já que existem várias sub espécies?

As plantas de lírio de maior preocupação são todas do gênero Lilium (Lilium sp.), Que inclui Lírios, lírios tigre, e lírios asiáticos, e qualquer do gênero Hemerocallis (Hemerocallis sp.)

Fontes pesquisadas:

http://www.vethelpdirect.com/vetblog/2010/05/02/lily-poisoning-in-cats/

http://www.petpoisonhelpline.com/2011/09/are-lilies-poisonous-to-cats/

http://www.drkatrina.com/yourpet/Cats/Lilytoxicityincats.aspx

http://www.pethealthnetwork.com/lifestyle/easter-lily-poisoning-cats

Leucemia Felina – FeLV

29 ago

Fonte – Veterinária de Felinos

O vírus da leucemia felina é um retrovírus com transmissão horizontal. A transmissão ocorre principalmente pela saliva, que contém elevada concentração do vírus. Embora mordidas, lambeduras e cuidados com a pelagem sejam as vias de infecção mais comuns, gatinhos podem ser infectados por via transplacentária ou pelos cuidados da mãe infectada. Contudo, o mero contato com o vírus não é garantia de infecção e essa não é certeza de viremia persistente ou de doença. Tão logo tenha sido introduzido no gato, o vírus progride por meio de diversos tecidos. A capacidade do sistema imune em interromper esta progressão determina o desfecho final e influencia os resultados dos diversos testes para antígenos. O vírus é causador de diversas doenças proliferativas (linfoma, leucemia), diversas doenças degenerativas associadas ás propriedades imunossupressoras do vírus (anemias não regenerativas, atrofia do Timo, síndrome similar á panleucopenia, natimortos, abortos) e á imunossupressão direta. Os sinais clínicos variam amplamente, dependendo do tipo de doença e dos órgãos envolvidos. Testes diagnósticos detectam o antígeno viral. Os resultados dos testes variam com a forma da doença e órgãos alvo. Exemplificando, mais de 90% dos gatos com linfoma mediastínico anterior são positivos para o vírus, mas esta percentagem cai para menos de 50% dos gatos com linfoma do trato digestivo. Considerando a labilidade do vírus no ambiente, a desinfecção da casa é facilmente realizada. Sem tratamento, o vírus desaparece do ambiente domiciliar dentro de 1 semana. Novos gatos introduzidos na casa devem ser testados para detecção do vírus antes da admissão. Recomenda-se vacinação para todos os gatos expostos a gatos de vida livre ou a gatos positivos ao vírus. A exposição promove sólida imunidade em 80 a 90 % dos gatos vacinados, mas a porcentagem fica menor quando os gatos são continuamente expostos a outros gatos infectados.
SINAIS CLÍNICOS:
variam amplamente, mas consistem frequentemente em dispnéia, letargia, anorexia, febre, gengivite, estomatite e abscessos que não curam.
EXAME FÍSICO:
derrame pleural, mucosas pálidas, anormalidades intra oculares, massas intra abdominais palpáveis e organomegalia.
HEMOGRAMA E PERFIL BIOQUÍMICO
TESTES PARA ANTÍGENO DE FeLV
TRATAMENTO:
-Quimioterapia
-Transfusão de sangue
-interferon oral
-prednisolona
PROGNÓSTICO:
Gatos infectados mas que não demonstram sinais clínicos podem permanecer assintomáticos por muitos anos. Podem ser sadios, mas são contagiosos para outros gatos. Gatos com qualquer doença relacionada á FeLV tem prognóstico reservado. Se forem medicados intensamente com quimioterapia, gatos com doenças proliferativas tem período médio de sobrevida de 6 meses, embora alguns sobrevivam por muito mais tempo.

Síndrome de Horner

28 ago

Síndrome de Horner é um distúrbio que resulta da perda da inervação simpática para os olhos e órgãos anexos. A inervação simpática é responsável pela manutençao do tônus da musculatura periorbital e palpebral, inclusive membrana nictitante.

Também é importante para contrabalaçar a dilatação das pupilas (por meio dos músculos dilatadores da íris)  diante do efeito parassimpático de constrição (via músculos constriores da íris). Uma lesão situada em qualquer ponto ao longo da via simpática pode causr síndrome de Horner. Lesões pré-ganglionares envolvem a via que se inicia no tronco cerebral, prossegue pela medula espinal até o nível da segunda vértebra torácica, ao longo das raízes nervosas T1 a T3 e até o tronco vagossimpático em sua terminação no gânglio cervical craniano. As lesões  pós-ganglionares situam-se ao longo do trajeto do gânglio cervical craniano, avançam por meio do ouvido médio e terminam no olho. Na maioria dos gatos não se pode determinar a causa da síndrome de Horner (idiopática). Quando é conhecida a etiologia, a causa mais comum é traumatismo á via neurológica. Essas lesões podem ser ferimentos por mordida, cirurgia cervical ou otológica e avulsão do plexo cervical ou braquial. Outras causas possíveis são otite média, pólipos nasofaríngeos e neoplasia torácica cranial. Os sinais de síndrome de Horner são miose, enoftalmia,, prolapso da terceira pálpebra e ptose. Em alguns casos, nem todos os sinais estão presentes; na ausência de outros sinais, miose é o achado mais frequente. As deficiências visuais não fazem parte da síndrome de Horner. A avaliação da síndrome de Horner tem início com história e exame físico completos, com especial atenção para a identificação de traumatismo recente, exame do canal auditivo e avaliação para qualquer deficiência neurológica que possa ajudar na localização da lesão.

DIAGNÓSTICO:
-Sinais clínicos
-RX
-testes oculares
TRATAMENTO:
-Tratar a doença subjacente
-Uso tópico de Fenilefrina a 10%
Obs- normalmente a síndrome de Horner se cura espontaneamente dentro de 4 a 6 mêses, a menos quando é secundária a algum distúrbio subjacente
.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 122 outros seguidores